Atualmente na área de marketing digital é comum ouvir sobre o conceito webwriting, referindo-se a uma técnica que torna os conteúdos criativos e relevantes, qualidades essenciais para ter um bom site. Mas o conceito não diz respeito somente ao texto da web, ele se relaciona a todo um conjunto de ferramentas que ajudam a segmentar o site de forma que ele passe a ser considerado relevante para plataformas como o Google e, assim, consiga também atingir o público desejado para o site.

O conceito de webwriting começou a ser difundido em 1997 por Jakob Nielsen: através de seu site www.useit.com, o Ph.D. divulgou informações a respeito da aplicação de testes que servem para avaliar o desempenho dos sites no ambiente online, evidenciando com sua pesquisa a importância e a necessidade do estudo na área de informação digital. Além de Jakob, outro influenciador do webwriting foi o escritor Crawford Kilian, que através do seu livro “Writing for the web”, lançado em 1998, definiu outros preceitos que serviram de base para o webwriting .

O desenvolvimento de um site inovador e criativo se dá através de diferentes características do site como, por exemplo, o design. Um site que possui um layout que não é direcionado ao seu público alvo, ou que não é atrativo, não é visto como relevante para os leitores e nem para o Google, ocupando uma baixa colocação na página de pesquisa da plataforma.

Além disso, o conteúdo do site deve ser basear nas técnicas de SEO (Search Engine Optimization), ou seja, o texto deve ser otimizado, apresentando informações claras, objetivas e interessantes. A estrutura do site também deve ser alterada, suas seções, textos, categorias e etc, precisam ser organizados de uma forma atrativa e coerente, o conteúdo do texto deve estar interligado e a publicação fornecer links que também conecte o usuário aos outros assuntos expostos no site.