Facebook lança ferramentas para tentar diminuir manipulação política

[av_heading heading=’Facebook lança ferramentas para tentar diminuir manipulação política’ tag=’h1′ style=” size=” subheading_active=” subheading_size=’15’ padding=’5′ color=” custom_font=” av-medium-font-size-title=” av-small-font-size-title=” av-mini-font-size-title=” av-medium-font-size=” av-small-font-size=” av-mini-font-size=” admin_preview_bg=”][/av_heading]

[av_one_full first min_height=” vertical_alignment=” space=” custom_margin=” margin=’0px’ padding=’0px’ border=” border_color=” radius=’0px’ background_color=” src=” background_position=’top left’ background_repeat=’no-repeat’]

[av_textblock size=” font_color=” color=” av-medium-font-size=” av-small-font-size=” av-mini-font-size=” admin_preview_bg=”]

Na segunda-feira, 2, o Facebook anunciou que criou novas ferramentas que têm como principal foco combater tentativas de manipulação política realizadas através de conteúdos patrocinados na rede social, como o que é suspeito de ter acontecido nas eleições estadunidenses do ano passado, na qual acredita-se que empresas russas tenham auxiliado fortemente o atual presidente dos EUA, Donald Trump, a alcançar o cargo.

Muitos dos conteúdos divulgados pelo “Internet Research Agency” — a empresa russa responsável pelos anúncios — “parecem estimular as divisões raciais e sociais nos Estados Unidos”, afirmou Joel Kaplan, ex-funcionário da Casa Branca, em comunicado. Todos esses dados serão entregues à Justiça americana.

Como explicamos em nosso artigo sobre Facebook Marketing, é possível dirigir mensagens e anúncios a grupos específicos, por localização, gostos etc. nas redes sociais, graças a algoritmos especiais, e esse é um dos contextos em que as autoridades americanas acreditam que a Rússia pode ter interferido nas campanhas eleitorais de 2016.

“Demos esses conteúdos ao Congresso porque queremos cumprir nossa tarefa de ajudar os investigadores a entender melhor a ingerência russa no sistema político americano e explicar essas atividades ao público”, afirmou a empresa.

Mais de mil novos funcionários foram contratados para supervisionar os conteúdos patrocinados no mundo todo e vai investir mais no aprendizado das máquinas para identificar e apagar melhor conteúdos publicitários que possuam conteúdos chocantes, ameaças diretas e indiretas, além de banir também conteúdos que promovam o uso de armas de fogo e que apresentam mensagens de ódio disfarçadas de “liberdade de expressão”.
[/av_textblock]

[/av_one_full][av_one_full first min_height=” vertical_alignment=” space=” custom_margin=” margin=’0px’ padding=’0px’ border=” border_color=” radius=’0px’ background_color=” src=” background_position=’top left’ background_repeat=’no-repeat’ animation=” mobile_breaking=” mobile_display=”]
[av_comments_list av-desktop-hide=” av-medium-hide=” av-small-hide=” av-mini-hide=”]
[/av_one_full]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima